Pensamento...

"Eu sou o Colombo da minha alma e diariamente descubro nela novas regiões." | Gibran Khalil Gibran.

sábado, 18 de fevereiro de 2017

HUMILDADE

A humildade é uma virtude
Que eu não entendo muito bem:
Quem a tem não sabe
E quem sabe não a tem!

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

EMPREENDIMENTO - JOÃO NUNES MAIA / ESPÍRITO LOESTER

Empreendimento no alvorecer da vida é o teu dever maior; não obstante, deves saber o que vais realizar.
***
Trabalho é uma forma de oração ao Criador, porém é de urgência saber que a prece no silêncio de teu aposento te faculta forças para o labor de cada dia.
***
Ação é sinônimo de fazer; deve usar os teus braços para a tua independência econômica, deixando o comando à cabeça, para que o rendimento seja maior.
***
Fortuna lícita é fruto do fazer, mas mesmo assim, ela não pertence somente a ti; faze o que puderes pelos outros, que te ajudaram a ganhá-la.
***
Empresa é um conjunto de esforços, não podendo apenas um desfrutar do conforto; a consciência em Cristo não apoia o abandono das mãos que te serviram.
***
Obrigação é dever a ser cumprido e seu esquecimento a lei não perdoa.
***
Serviço é palavra séria, que sempre inquieta o preguiçoso.
***
Aplicação é marca do Cristo na vida da alma, pra que ela se liberte dos cravos da inércia.
***
Trabalhar é tomar remédio diariamente para acalmar a consciência por vezes desatinada; na retaguarda do trabalho vem a paz, sorrindo pela presença do Amor.
***
Labor é vida, porque se o organismo parar, a forma entra em decadência; tudo no universo se movimenta para viver.
***
Empreendimento é serviço da inteligência, que o coração convidou pelo preço da liberdade; quem não gosta de trabalhar, está morrendo sem saber notícias da glória da vida de quem vive pelo fazer.

Referência:

MAIA, João Nunes (Espírito Loester). Sinônimos para a paz. Belo Horizonte: Fonte Viva, 1986. p.110-113.




segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

BONDADE

A bondade é virtude
Delicada e modesta,
Quem a tem reflete Deus
Quando a manifesta!

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

A MELODIA DO SILÊNCIO - MEIMEI / CHICO XAVIER

Originalmente, a mensagem abaixo foi obtida por meio da psicofonia do famoso médium mineiro, sendo depois transcrita e inserida no corpo da obra “Instruções Psicofônicas”

A melodia do silêncio

Na fase terminal de nossas tarefas na noite de 10 de junho de 1954, tivemos a afetuosa visita de Meimei, a nossa companheira de sempre, que, utilizando os recursos psicofônicos do médium, falou-nos sobre os méritos do silêncio, em nossa construção espiritual.

Repara a melodia do silêncio nas criações divinas.
No Céu, tudo é harmonia sem ostentação de força.
O Sol brilhando sem ruído…
Os mundos em movimento sem desordem…
As constelações refulgindo sem ofuscar-nos…
E, na Terra, tudo assinala a música do silêncio, exaltando o amor infinito de Deus.
A semente germinando sem bulício…
A árvore ferida preparando sem revolta o fruto que te alimenta…
A água que hoje se oculta no coração da fonte, para dessedentar-se amanhã…
O metal que se deixa plasmar no fogo vivo, para ser-te mais útil…
O vaso que te obedece sem refutar-te as ordens…
Que palavras articuladas lhes definiriam a grandeza?
É por isso que o Senhor também nos socorre, através das circunstâncias que não falam, por intermédio do tempo, o sábio mudo.
Não quebres a melodia do silêncio, onde tua frase soaria em desacordo com a Lei do Amor que nos governa o caminho!
Admira cada estrela na luz que lhe é própria…
Aproveita cada ribeiro em seu nível…
Estende os braços a cada criatura dentro da verdade que lhe corresponda à compreensão…
Discute aprendendo, mas, porque desejes aprender, não precisas ferir.
Fala auxiliando, mas não te antecipes ao juízo superior, veiculando o verbo à maneira do azorrague inconsciente e impiedoso.
Não saiba tua mão esquerda o que deu a direita – disse-nos o Senhor.
Auxilia sem barulho onde passes.
Recorda a ilimitada paciência do Pai Celestial para com as nossas próprias faltas e ajudemos, sem alarde, ao companheiro da romagem terrestre que, muitas vezes, apenas aguarda o socrro de nosso silêncio, a fim de elevar-se à comunhão com Deus.

Referência:

XAVIER, Francisco Cândido (Espíritos Diversos). Instruções Espíritas. 6. ed. Brasília: FEB, 19 (1. ed. de 1955). p.71-72.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

O SÁBIO QUE AMAVA | DO CD PARA REFLETIR - VOLUME 1

DEGREDADO DAS ESTRELAS

Eu estendo os meus olhos
Ao zimbório iluminado
Contemplando o Sem-Fim
Com o peito dilacerado...

Me invade uma saudade
Que eu não sei como explicar
De alguma estrela distante
Que um dia foi meu lar.

Por que vim parar aqui,
Neste mundo de expiação?
Em silêncio eu formulo
Uma singela oração.

E as luzes lá do Alto
Aproximam-se de mim,
Abrandando a minha dor
Que parecia não ter fim.

Uma estranha sensação
Se espalha em minha alma,
Onde havia inquietação
Agora há paz e calma.

De algum modo compreendi
Que da Terra ao Mais Além
Tudo está interligado
Pelas forças que nos mantêm.

Portanto, se estou aqui
Deve ter uma razão
Que preciso descobrir
Dentro do meu coração.



Pesquisar